AutoClube.blog.br

Maverick Turismo 5000

Postado por Fábio Marchiotte Dias Postado em mar - 31 - 2009
 Maverick Turismo 5000
Em 1986, mas precisamente no seu final, os amantes do automobilismo infelizmente assistiam à morte da categoria que, sem dúvida alguma foi a mais rápida em questão de velocidade e existência, a Turismo 5000.

Nesta categoria competia o Ford Maverick, Chrysler Dodge Dart e Charger e, acreditem, o Galaxie, muito embora tenha sido representado na pista apenas por dois carros e em temporadas distintas.

O Maverick foi o carro escolhido por muitos pilotos da época, entre eles o italianíssimo Sérgio Di Gênova, ultimo campeão da categoria utilizando o carro que iremos conhecer agora.

Di Gênova, como é conhecido nas pistas, chegou a correr em outras categorias, inclusive na Stock Car nas décadas de 1990 e 2000. Apesar disso, sua grande paixão sempre foi mesmo o forte motor V8.

No início da T5000, “Serjão” (como também é conhecido) disputou algumas provas com um Dodge Dart, mas, como gostava também dos Maverick, optou então em montar um modelo fabricado em 1975 para disputa das etapas uma vez que o carro é bem mais leve que o Dodge: “este carro não me lembro bem em que ano foi montado, pois fazíamos carros em série” comenta o piloto.

Este Ford Maverick Super Luxo ano 1975, estranha a quem olha, pois recebeu uma carenagem dianteira que descaracteriza sua linda frente original. Essa descaracterização foi feita para melhorar à aerodinâmica do carro, que atingia a velocidade de 250km/h. Isso mesmo, 250km/h vinte anos atrás, mas vale a ressalva que essa carenagem só apareceu nos dois últimos anos da categoria. Segundo Sérgio, o carro continua idêntico ao que era em sua última aparição nas pistas, quando conquistou o título da categoria em sua última temporada.

Por dentro, comparado aos carros de hoje, chega a ser feio. Pouquíssimos instrumentos, chave geral ao lado do motorista com os dizeres escritos “à mão”… mas, como já dissemos, isso comparado com os carros de hoje que são totalmente eletrônicos.

O arco “Santantonio” era montado com suas emendas feitas por porcas e parafusos, hoje banido do automobilismo, por razões óbvias de segurança segundo determinação FIA (federação internacional de automobilismo).

As condições internas do carro são excelentes. Assoalho bem conservado, portas sem ferrugem, realmente muito bem conservado.

A pintura chama atenção também, principalmente no que se diz respeito aos patrocinadores, que tinham os logos desenhados e pintados diretamente na lata do carro.

O motor da máquina, um V8 302, sofreu algumas modificações, para entrar na pista e sagrar-se um verdadeiro campeão: o combustível passou a Álcool; o cabeçote foi retrabalhado e passou a ter a taxa de compressão de 11,0:1 que antes era de 7,7:1 o comando foi alterado para um “Skynderiam 312°”, aumentando o tempo de abertura das válvulas, que aliadas ao conjunto de balanceiros roletados melhoram ainda mais a abertura.

Uma curiosidade nesta preparação é o carburador: um Bi-Jet original montado em cima de três bases de alumínio, que têm a função de aumentar a altura do carburador em relação ao coletor. Com isso se ganha velocidade no fluxo de ar/combustível, melhorando a aspiração e fazendo o motor “encher” mais rápido, com isso ganhando mais potência. As bielas e os pistões são originais.

Foi feito um cárter sob medida, com capacidade para oito litros de óleo. O sistema conta ainda com “aletas” para melhor refrigerar sistema de arrefecimento, e assim o carro trabalhar com mais pressão na bomba (pois o motor trabalha entre 6.500 e 7000 RPM).

A caixa de câmbio utilizada é a original do modelo, somente com a terceira marcha “alongada” para descer a reta de “pé tuchado”, e o diferencial é ”blocado”.

O sistema de ignição é original, ou seja, distribuidor e platinado, pois o regulamento não permitia sua substituição. As velas, bem como a bobina, também são originais.

A suspensão tem um trabalho diferente. Manga de eixo e bandejas são originais, com a cambagem assim acertada: a roda do lado esquerdo trabalha com um grau de inclinação contra quatro na roda esquerda. Estas medidas foram adotadas porque as corridas da Turismo 5000 eram disputadas somente no anel externo de Interlagos, e as curvas eram todas para esquerda.

Os amortecedores são Bilsten.

Por baixo do carro é possível notar na parte traseira um acessório para refrigerar o sistema de freios, a disco nas quatro rodas, com pinças traseiras do VW Brasília.

As rodas são de ferro aro 14” e tala de 8”, calçados com pneus Pirelli P7 225/70/14”.

Esta máquina, hoje de grande valor sentimental para seu dono, e devido ao seu histórico de sucesso para o automobilismo brasileiro, ainda ficará guardado por mais longos anos, pois seu dono não tem intenção nenhuma em vendê-lo. Se ficou interessado em botar as mãos nesta obra-de-arte, nem adianta ofertar valores, pois a resposta será certamente negativa.

Texto e fotos: Dê Machado

 Maverick Turismo 5000  Maverick Turismo 5000
 Maverick Turismo 5000  Maverick Turismo 5000

Nós do A.C.D. agradecemos em especial ao Dê Machado, pois nos proporcionou essa ótima matéria relembrando os velhos tempos onde o saudoso Maverick rasgava as retas de Interlagos.

pixel Maverick Turismo 5000

2 Comentários até agora.

  1. Almanakut Brasil disse:

    O Maverick é um clássico brasileiro, que poderia voltar na versão Fusion.

    Bela matéria!

    Abraços.

    Almanakut Brasil

  2. Anonymous disse:

    Eu e um dos meus irmaos fomos bandeirinhas nessa e outras categorias na epoca. Impressionante assistir a esses carroes percorrerem a curva 2 'de lado',era de arrepiar.
    Boas lembrancas…


Publicidade

  • Dj. Nando Miatelo
  • Vendedor Mercado Platium - Mega Eletronic
  • Curta essa idéia, e também nossa fan page no Facebook
  • Anuncie Aqui!